Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto e ao que me rodeia! Educação é a minha paixão! Arte e Educação de mãos dadas! email: ag_silva@hotmail.com

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto e ao que me rodeia! Educação é a minha paixão! Arte e Educação de mãos dadas! email: ag_silva@hotmail.com

Lembrança para a mãe!

dipmae1.jpg

Foi recordado o dia da mãe!
Todos com aquele entusiamo de querer fazer uma lembrança para oferecer.Todos menos um, o Xxxxxxx que estava a chorar! Quando o professor se aproximou dele e perguntou o porquê de estar tão triste, ele respondeu que não tinha mãe.
O silêncio tornou-se de pedra e então o professor disse-lhe que a mãe gostaria  de lhe  agradecer o presente mas também gostaria com toda a certeza  que ele o  oferecesse  à avó que é a mãe dele neste momento.
Os olhos abriram-se, notou-se um sorriso e o entusiasmo voltou à turma.

 

Ver mais Lembranças


25 de Abril.

abril742.jpg

Calou-se o medo..

Ouve-se a Liberdade!..

Tinha 16 anos e andava no 10º ano ou no 1º ano do Curso Complementar de Mecanotecnia como lhe chamavam na altura. Fazia aquele percurso de 3 km a pé entre a minha casa e a escola mas naquele dia algo me parecia que andava no ar.
Algumas pessoas falavam muito baixinho e olhavam para os lados como se tivessem medo de ser ouvidas e a G.N.R. andava num frenesim para cima e para baixo como se procurasse algo. Achei estranho mas mesmo assim continuei até à Escola Industrial de Penafiel e quando lá chegei foi-me dada a informação que estava fechada, sendo aconselhado a ir direitinho para casa sem parar em nenhum lado.
O Gonçalves, homem já de barba e o colega mais velho da turma, acompanhou-me no percurso para casa, já que ficava para os meus lados e foi-me explicando entre dentes que tinha havido uma revolução para acabar com a guerra colonial. O percurso foi feito quase em silêncio e a G.N.R. passava por nós para cima e para baixo nas suas patrulhas de mota e com muita mais insistência, até que o Gonçalves disse baixinho: Olha, estes são os fachos, são a favor da guerra colonial e contra a revolução, enquanto os militares são contra a guerra colonial  e foram os que fizeram a revolução. Ainda vai haver guerra entre eles, dizia ele.
Despedi-me do colega que ficava pelo centro da cidade e continuei o meu percurso passando como sempre no Quartel Militar do Exército na altura RAL 5 e reparei que havia um movimento invulgar de carros de combate à porta. Continuando o percurso até casa, fiquei atento às notícias até ter a confirmação do que significava esta Revolução e o marco que foi o 25 de Abril. 
      Foi assim a minha primeira lição sobre o 25 de Abril, dia em que se calou o medo e deixou-se  de falar baixinho com receio de alguém ouvir.

Faz hoje trinta e um anos.
Foi assim que eu vi e senti o 25 de Abril de 1974.
Agostinho.


Mãos 2!...

tachoo31.jpg 

Mãos de artistas!
Mãos que moldam o seu percurso de vida....
Mãos que definem pelo traço o caminho que cada um percorre.
São mãos que carregam consigo a personalidade de cada um.
Mãos que não se escondem e dão a palma quando o seu dono não quer dar a cara.
São as mãos da vida!..

Ver 8º Jantar/Convivio do GT
http://tacho.blogs.sapo.pt/


Sons da natureza!

grilos1.jpg grilos2.jpg
Sons da natureza!
Como atrás disse, hoje dia 16 de Abril à tardinha, fui até ao campo ouvir os sons da natureza e apanhei o tal grilo simpático que até canta nas minhas mãos, basta para isso eu assobiar que ele começa logo a bater as asas e a fazer aquele som característico e que é apreciado por muitas pessoas, pois lembram as áreas rurais.
Antes, tirei uma palheta e com ela enfiei-a na lota do grilo fazendo-lhe cócegas através do rolar da palheta entre os dedos indicador e polegar. Depois de várias tentativas porque é preciso paciência para que um saia com as cócegas que se lhe faz, e aqui é que está o segredo ou seja a arte.
Noutros tempos e na minha juventude até fazia-mos concursos para ver quem tirava mais grilos, havendo aqueles que faziam batota e então, deitavam-lhes água para saírem, outros tiravam-nos com uma sachola destruindo toda a lota e outros ainda diziam que faziam xixi no buraco e eles saiam logo.
Pois o meu já cá está! Foi com arte e já o vou ouvir toda a noite, durante muitos dias até finais de Julho.

Características dos grilos conhecidas desde a minha  juventude:
- Grilo rei, de cor avermelhado, não emite sons e geralmente tem uma carcaça de outro grilo na sua lota. Também se confunde com o grilo em mudança de pele;
- Grilo pedreiro, das zonas mais secas, geralmente a sua lota encontra-se sob pedras, emite sons que parecem ferramentas a trabalhar;
- Grilo normal, de zonas mais férteis, emitem sons estridentes, o gri gri;
- Grilo da lareira, casas rurais e de pedra mais pequenos que os outros, emite sons muito estridentes;
- Grilo perneta, das zonas pouco férteis do campo, geralmente não têm uma pata, emite sons fazendo uma mistura entre o martelar de ferramentas e o vulgar gri-gri;
- Grila, não emite sons, tem três rabos (o do meio é o ovopositor) e em muitas zonas se diz que é o macho
.

 Definição: Grilo, insecto ortóptero, da família dos Grilídeos, cujo macho produz um som característico, estrídulo, de cor geralmente escura, com antenas mais longas que o corpo e fémures posteriores desenvolvidos para o salto.

 

Ver vídeo "grilos e sons da natureza"


 

 Agostinho Silva

"Arte por um Canudo 2"

 


Também fui apanhado!..

 


Também fui apanhado!


Andava escondido! Sorrateiramente, pé ante pé, andava silenciosamente por esses montes e vales a apanhar grilos e conseguia sem que ninguém me visse fugir sempre destas coisas, até que, alguém me viu e apanhou-me. O causador desta brincadeira foi o meu amigo Alberto Flores do Ailaife Blog que decidiu, desafiar-me a dar seguimento a uma brincadeira de literatura na blogosfera a que alguém deu o nome de  Ex-Libris da Tugosfera.
Consta ela de uma série de perguntas que, obviamente, devem ser respondidas e descaradamente nomear 3 novos elementos que terão que lhe dar seguimento.
Ora aqui vai:


Não podendo sair do Fahrenheit 451, que livro quererias ser?
Sinceramente… não li, não vi, não vou ler e nem sei do que trata.


Já alguma vez ficaste apanhadinha(o) por um personagem de ficção?
Quantas vezes eu não sonhei? Claro que sim! E foram muitos. Major Alvega , Manselle X, Mandrake e Matt Dillon. É verdade os das histórias aos quadradinhos, os meus heróis do Mundo de Aventuras..


Qual foi o último livro que compraste?
Foi mesmo! Código da Vinci.


Que livros estás a ler?
História da Politica Educativa Portuguesa.


Que livros (5) levarias para uma ilha deserta?
Olha, não levava livro nenhum. Cheio de livros para já ando eu. Descanso é descanso até dos livros. Esticava-me quanto pudesse de papo para o ar. .


A quem vais passar este testemunho (três pessoas) e porquê?
Ao Carlos Alberto do
Parada de Gonta, porque pode ser que ele responda em poesia ou nos convide a uma visita ao seu Jardim.


Ao Zé Carlos do Grupo do Tacho, como o representante deste famoso grupo e também do Santa Ana 2005, porque poderá aqui deixar umas dicas sobre manuais da boa cozinha


 Ao Carlos Tavares do Micróbio porque anda sempre a infeccionar e pode ser que desta vez infeste toda a blogosfera com esta corrente e  possa responder e dar seguimento a esta brincadeira.

Espero que ninguém se zangue comigo porque tentei equilibrar o melhor possivel com um poeta???um bom tacho??? e um virús.
Fui apanhado e apanhei outros logo a seguir. Prefiro ir aos grilos!....
UFA!...Espero ter-me saído bem Aflores!..


Hoje, fui aos grilos!..

grilo1.jpg
Hoje, fui aos grilos!
Que prazer recordar os tempos de menino, tempo que em conjunto com os colegas andava aos grilos por montes e vales ao encontro destes sons criados pela natureza. Agora, é muito mais difícil encontrá-los, as florestas queimadas, os pesticidas nos campos ajudaram a dizimá-los, mas ainda se encontram.
Vinha eu do trabalho por voltas das 18 horas, quando através da janela do carro ouvi aquele som tão característico dos grilos e tão familiar que logo parei o carro e fui ao encontro deles. Rapei de uma palheta e em todos os buracos que encontrava lá estava (cuidado que alguns os mais largos podem ser de ratos ou cobras) eu com a palheta rolando entre dois dedos e no buraco do grilo fazendo cócegas para eles saírem. Estive 1 hora e só consegui tirar duas grilas e um grilito sem asas, porque isto também tem arte o saber fazer cócegas aos grilos para eles saírem.
Todos os anos apanho um grilo, geralmente daqueles simpáticos que até cantam nas mãos e ponho-o numa gaiola alimentando-o com alface e serradela (uma erva em forma de dentes de serra) e ele encanta-me com os seus sons.
Podem dizer os defensores dos animais, eu também o sou, que o animal em cativeiro tem menos tempo de vida. Não é verdade e eu tenho essa experiência, ao verificar que todos os grilos desaparecem nos finais do Verão e o que eu tenho na gaiola ainda continua a cantar durando mais 1 a 2 meses. Quando começa a ficar lento, sinal de velhice solto-o.
Da próxima vez que consiga apanhar um para a gaiola, vou recordar os velhos tempos e explicar:
- Que tipos de grilos existem;
- Que tipo de sons emitem;
- Como se apanha um grilo.

 

Agostinho Silva

"Arte por um Canudo 2"

 


BFS

bfsemana1.jpg 


Tenho andado arredado das lides “bloguistas” devido a motivos profissionais e quando cheguei a casa depois da acção que ando a frequentar fiquei triste por não ter notícias no “arte sem arte, é uma nova forma de arte em que tudo vale” que significa “Arte por um Canudo”. E como é fim de semana para quem começa agora, decidi numa de arte criativa e inovadora para a época que atravessamos, nunca vista, deixar um trabalho para todos vós que me deu gozo a fazer porque foi sentido e do fundo do coração. É o meu desejo como obra-prima!
E porque não?


De: Agostinho


História do dia dos enganos!

sardanisca1.jpg

 

Fábula do 1 de Abril.

 1 de Abril! Mais conhecido por dia dos enganos! A história é de ontem o relato é de hoje e passou-se entre o caracol e a sardanisca, num daqueles dias solarengos que a minha máquina registou:
Sardanisca - Caracol! Caracol! Estás com os corninhos ao sol?
Caracol - Estou! E tu julgas-me algum petisco?
Sardanisca - Não! Só quero conversar contigo!
Caracol - Sobre quê?
Sardanisca - Vamos falar sobre o que nos está a acontecer.
Caracol – Vamos! Já há muito que não vejo os da tua raça.
Sardanisca – Pois! Encontro-me sózinho e perdido.
Caracol - Eu também! Os meus já não existem.
Sardanisca - O nosso mundo está a desparecer!
Caracol - Pois está! E muito rapidamente.
Sardanisca -  Sabes de quem é a culpa?
Caracol – É da raça humana! Só sabem poluir.
Sardanisca – Pois! Vão matando a natureza e quem paga somos nós.
Caracol – Eles não pagam agora, mas mais tarde vão padecer.
Sardanisca – Se nós os pudéssemos avisar!
Caracol – Para quê! Se fazem a asneira têm que pagar por ela.
Sardanisca – Dizes bem! Mas se fossem só os culpados a pagar! É que a maioria que vai sofrer não tem nada ver com os que estão a matar o planeta.
Caracol – Pois! O mundo é mesmo injusto.
Sardanisca – Aos poucos vão desaparecendo e depois só quando restarem alguns é que vão reflectir sobre o mal que fizeram.
Caracol – Como nós! Só que nós não fomos os culpados.
Sardanisca – Por isso é que os devíamos avisar! Do mal que estão a fazer.
Caracol – Olha esse que está a fotografar-nos! Será que ele nos entende.
Sardanisca – Ele não sei! Mas a máquina vai registar e fazer com que contem muitas histórias sobre nós.

 

Agostinho Silva

"Arte por um Canudo 2"


Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.