Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

O Blog trata de brincadeiras artísticas, escola, paradadegonta e bisbilhotices. Costumo dizer "arte sem arte é uma nova forma de arte". Dizer o que vai na alma ..é sentir o que me rodeia. email: ag_silva@hotmail.com

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

O Blog trata de brincadeiras artísticas, escola, paradadegonta e bisbilhotices. Costumo dizer "arte sem arte é uma nova forma de arte". Dizer o que vai na alma ..é sentir o que me rodeia. email: ag_silva@hotmail.com

As Vindimas

(carregar na imagem)

As Vindimas fazem-se sentir em Parada de Gonta. Dizem que não há cânticos como havia antigamente mas mesmo assim são muito animadas. São muitas as pessoas que se juntam para ajudar o vizinho. É uma tradição em que uns vão a casa dos outros. Vão simplesmente pela camaradagem.

É lindo de se ver e é pena que também estas estejam a acabar. Não existem jovens para a continuação e os mais velhos já dizem que não vale a pena pelo preço que vendem as uvas. Quem ganha são as cooperativas e o agricultor tem que aceitar o preço que lhe fazem.

Tudo tem o seu fim..o lagar acabou, porque é a coopertiva que faz o vinho e as vindimas também têm os seus dias contados. A ganância duns leva à miséria de outros.

SL Sporting x FC Porto

 

S L SPORTING 1 - F C PORTO 1

 

Foi um excelente jogo. Bem disputado e com cada uma das equipas a jogar melhor na 1ª parte o Sporting e na 2ª parte o Porto. Mesmo com as direções em rota de colisão os jogadores mostraram fair-play durante o jogo, revelando que nada têm a ver com as direções dos seus clubes e estão mais interessados em dar espetáculo ao público e aos seus adeptos. Parabéns a ambas as equipas porque foi arte aquilo que os jogadores conseguiram dar ao público e aos seus adeptos.

A onda das desculpas..

 

O Ministro da Educação, Nuno Crato, e a Ministra da Justiça, Paula Teixeira, foram protagonistas esta semana pelos seus pedidos de desculpa aos portugueses. Depois de serem acusados pelos erros que vão cometendo nos seus ministérios, acabaram por pedir desculpa mas as desculpas não apagam os erros. São milhares de professores e alunos e milhares de utentes da justiça que serão prejudicados devido aos seus erros. Tanto um como o outro acabam por colocar a enfase da culpa nas plataformas das tecnologias de informação. Podem pedir desculpa mas demissão é que não, apesar dos sindicatos e partidos da oposição assim o exigirem.

E esta hein? faz lembrar o perdoa-me.

 

1º encontro de professores da escola Lajeosa do Dão

 

Foi o 1º encontro de professores do ex-agrupamento da Lajeosa do Dão. Parecia um encontro dos velhinhos do restelo, ou antes um encontro vintage, do melhor que apareceu pela Lajeosa do Dão. Já não via alguns amigos seguramente hà oito anos e foi uma surpresa para mim quando cheguei ao lugar do encontro e vi este grupo de colegas que muitas recordações me fizeram lembrar. Fizeram lembrar os tempos que valia a pena ser professor. Tudo que se fazia era em pról dos alunos e para o reconhecimento da escola. Além do trabalho na escola havia também o lazer que era partilhado nas amizades e nos convívios depois das aulas.  Atualmente a burocracia e o novo conceito que se criou de escola absorve as energias daqueles que ainda tentam rumar contra a maré. O novo conceito de escola é fazer o mesmo que se fazia com muito menos. Menos professores, menos funcionários e menos recursos de apoio á escola. Neste paradigma de escola só existe um mais, são mais alunos por turma, ou seja, turmas maiores.

Para combater este negativismo de escola vamos tentar encontrar-nos de vez em quando e recordar os outros tempos. O próximo encontro de ex professores do Agrupamento da Lajeosa do Dão será no dia 23 de outubro.

 

Há marosca nas colocações?

Que parece ser marosca, parece, mas de quem? Nas colocações de mobilidade interna, foi grosseiro o que se passou. As ultrapassagens decididas (administrativas) não se sabe por quem, foram muitas. Imagine-se um agrupamento de escolas e como todos os agrupamentos deste país, devido às leis que na minha opinião são excessivas e injustas para a estabilidade das escolas, teve que indicar professores que não tinham componente letiva.

Esses professores são integrados numa lista pela dgae, que é graduada segundo as habilitações de cada um  e o tempo de serviço, ficando depois à espera que surja uma vaga de escola para serem retirados dessa lista.

Acontece que, existem professores que foram retirados dessa  lista não se sabe por quem, ultrapassando os mais graduados. E foram muitos os professores retirados da lista sem ser pelas escolas. É um facto que muitos conhecem neste concurso cheio de problemas.

Tudo estaria bem nestas situações se, os retirados e os outros não retirados mas mais graduados, não fossem da mesma escola.

A escola/agrupamento acabaria por ficar com o professor que foi retirado da lista, pois este fica na última escola/agrupamento onde exerceu e acabaria por lhe atribuir alguma função. Ninguém protestaria e tudo ficava bem.

O problema é: como os menos graduados foram retirados da lista antes dos mais graduados e sendo ambos do mesmo agrupamento  e do mesmo grupo de recrutamento, o caldo entorna-se, e então sim, acaba por ser um grande problema para a direção desse agrupamento.

É um grande problema porque o agrupamento (direção) tem condições para abrir uma vaga num certo grupo, devido ao titular se encontrar doente. Se o dá ao professor que foi retirado da lista não se sabe por quem, o outro que até é mais graduado diz que não é justo porque se encontra à sua frente, é menos uma vaga para concurso, acusa a direção se o fizer que está a pactuar com estas infrações.

Neste imbróglio quem perde são os alunos, porque ficam sem professor não se sabe mais quanto tempo, até que haja decisões a nível superior, e não  parece que a decisão seja rápida.

Pois, é um dilema que talvez esteja a ser colocado em muitos agrupamentos.

Os culpados lavam as mãos e nunca são responsabilizados, por outro lado, se não há culpados apetece dizer, será marosca?

Caminhada Ficton-Labesfal 2014

 


 

Integradas nas festas do concelho de Tondela, FICTON 2014, realizou-se a 2ª edição da caminhada Labesfal. Com inicio às 9,30h, o percurso com a rota das olarias de 9 Km, foi percorrido em cerca de 2 horas. Durante o percurso foram visitas algumas olarias enquanto os caminhantes iam sendo abastecidos com águas e alguns alimentos. Foi duro como mostra a foto em cima do Arte por um Canudo.

 

Exposição de Pinturas na Ficton de Tondela 2014

 

 

Ficton de Tondela 2014. Programa cheio de atividades culturais, música com grandes artistas e exposições das freguesias. Representando a Freguesia de Parada de Gonta estão as Pinturas do Arte por um Canudo com o Miguel e a D. Fernanda. Para apreciar o espetáculo, na foto a atuação  do Herman José, e as exposições têm que passar pela Ficton de Tondela entre os dias 12 a 16 de setembro.

Cartaz da ficton 2014

Definitivamente, acabou a escola do 1º CEB de Parada de Gonta.

PINTURA A ACRILICO S/TELA DE 80X50

No dia 23 de junho de 2014, foi anunciado através de lista de encerramentos do portal do governo, o encerramento da centenária escola do 1º ciclo de Parada de Gonta, declarada pelo ministério da educação de Nuno Crato.

 

Conhecida como escola Fontes Pereira de Melo, a escola do 1º CEB de Parada de Gonta, foi mandada construir por Tomás Ribeiro, que além de Poeta foi entre outros cargos, Deputado, Par do Reino, Ministro de Estado, Ministro da Marinha e das Obras Públicas, Governador dos Distritos de Braga e do Porto depois de, em 1860, ter sido nomeado Presidente da Câmara Municipal de Tondela.

 

A escola está ligada à elevação de Parada de Gonta a freguesia por obra de Tomás Ribeiro e ao Fontismo que vem do governo Fontes Pereira de Melo. (Fonte WIKIPÉDIA).

 

Ontem, dia 9 de setembro de 2014, em reunião havida entre os Encarregados de Educação, o presidente da Camara Municipal de Tondela, Dr. José António e a Drª Raquel, o Presidente da Junta de Freguesia de Parada de Gonta, Sr. Luis Fernando, e um representante do Agrupamento de Escolas de Tondela Cândido Figueiredo, Prof. Agostinho Silva, foi dada a declaração de óbito pela morte da escola do 1º ciclo de Parada de Gonta.

 

Depois de certa contestação, que a autarquia fez ao Ministério da Educação, pelo anúncio do encerramento da escola, e como não obteve resposta, foi altura de chamar os encarregados de educação com a aproximação do inicio do ano letivo, e perguntar-lhes para onde desejam que os seus educandos sejam deslocados.

 

Depois de dados alguns esclarecimentos pelo Dr. José António, acerca das escolas que estariam aptas para receber estes alunos, e acerca dos transportes que os levariam, chegou a vez do dedo no ar para saber quantos alunos vão para Canas Santa Maria, S. Miguel do Outeiro, Tondela e Lajeosa.

 

Dos 12 alunos da escola, 8 vão para Canas de Santa Maria e 4 para Tondela. Razões para esta escolha a facilidade de transportes e a distância. Aos 8 que vão para Canas de Santa Maria junta-se mais uma aluna, que não chegou a estar matriculada em Parada de Gonta, mas veio morar este ano para zona de influência de Parada de Gonta. Portanto, serão 9 em Canas e 4 em Tondela.

 

E assim chega ao final uma escola que chegou a ter mais de uma centena de alunos, segundo alguns registos, no ano de 1956/ 1957, teve 61 alunos do sexo masculino e 64 alunos do sexo feminino. Finou-se com 12 alunos.

 

Finou-se, mas deixa saudades e recorda-se alguma da sua história:

 

Escola construída em meados do século XIX, projetada em homenagem ao Fontismo, de Fontes Pereira de Melo, serviu e instruiu centenas de paradenses ao longo dos anos. Foi aqui que os paradenses, até hoje, passaram os primeiros anos de juventude, partilharam amizades, socializaram, aprenderam e construíram os alicerces das suas vidas.

 

A EB de Parada de Gonta conviveu com a monarquia, a república, o liberalismo, a ditadura e a democracia. Resistiu a muitos adventos mas não resiste à falta de natalidade. Encerra por ter menos de 21 alunos.

 

A EB de Parada de Gonta, segundo testemunhos dos mais idosos, também foi hospital na altura da gripe espanhola e viu muitos dos seus filhos morrer.

 

A EB de Parada de Gonta vai deixar saudades em todos os paradenses, e apesar de não ser a escola onde eu cresci, foi dos meus familiares e principalmente do meu filho, por isso, lhe presto homenagem por também ficar no meu coração.

 

A todos os professores que por esta escola passaram e contribuíram para a sua história, ficam registadas em letras de alma, os PARABÉNS e um GRANDE BEM HAJA de todos os paradenses.

 

Obs: Contam ainda os mais velhos que um dos enfermeiros da altura na escola, foi o avô do Sr. Luís Sá.

 

As listas saem amanhã…dia 9 setembro.

Nuno-Crato

Pelo menos essa é a indicação de Nuno Crato, à TVI

Sendo verdade, por certo virá acompanhado com um comunicado a dizer que os docentes foram colocados “atempadamente” antes do início do ano letivo, tendo tudo corrido com toda a normalidade e dentro do previsto.

Só se esquece que, como os docentes têm 3 dias úteis para se apresentar, muitos só na 6ª feira se deslocarão às escolas de colocação (até para terem mais tempo de tratarem de toda uma logística própria da colocação numa nova escola e, em muitos casos, numa nova cidade), já depois de ter começado o ano letivo.

Mas nada mais normal….e tudo começa bem.

Festa da Família em Penafiel - 2014

 

É sempre na 1ª semana de Setembro que realizámos a festa da família na minha terra natal, Penafiel, e onde se juntam irmãos, pais, sobrinhos e cunhadas para comemorar este dia.

Fazemos sempre uma grande petiscada com grelhados e à volta da mesa mantemos a união construída nas amizades entre irmãos. Já é tradição de os meus irmãos, Manuel, Fernando e Joaquim tratam das brasas, do fogareiro e das febras e eu tiro as fotos. Na imagem não é assim. Claro, as mulheres tratam de toda a organização. É sempre nesta altura que nos juntamos todos em total harmonia para falar, recordar, rir e divertir e continuaremos a comemorar este dia enquanto pudermos. É também neste dia da 1ª semana de Setembro que não existem desculpas para faltar.

A família tem que se unir e comemorar porque todos sabemos o quão difícil é juntar a família que vive em pontos dispersos do país.

Passado o convívio/jantar/banquete costumávamos ir até à festa de Santa Luzia, pela 1ª vez mudou de data, porque era também na 1ª semana de setembro, mas como a data foi mudada ficámos lá por casa até à 01 hora da manhã, na amena cavaqueira e a recordar outros belos tempos, altura em que parti rumo a Parada de Gonta.

É sempre um dia diferente e para mim dos mais felizes porque conseguimos reunir-nos todos sem exceção, Pais, irmãos, cunhadas e sobrinho/as.

Se tudo correr bem no próximo ano nos encontraremos. Até ao ano..

Professores, cada vez mais desrespeitados.

Pois bem, depois dos posts com a denúncia, aqui, e aqui, de que os professores não tinham os mesmos direitos de outros trabalhadores, nomeadamente um direito constitucional, ou seja, direito a férias, porque o Ministério da Educação abusa demasiado desta classe e toca moer-lhes o juízo durante o período de férias com os concursos, agora cabe também aos diretores dos agrupamentos e de escolas não agrupadas estarem no fio da navalha.

Soube que os diretores foram avisados ontem, dia 4 de setembro, por volta da meia-noite, que podiam indicar numa grelha e fazer-lhes chegar, os professores que agora lhes foi atribuída componente letiva, principalmente ocupação dos lugares de professores que aceitaram as rescisões por mútuo acordo, e que podiam ser retirados da plataforma.

Ora bem, acontece que nem todos os diretores a essa hora, por diversas razões, estariam contatáveis, não se sabendo assim, o que irá acontecer, aos colegas das escolas, e ou dos agrupamentos desses diretores, que por não terem sido contatados, não foram indicados na grelha para os retirar da plataforma.

Acontece também que os diretores que tentaram contatar o número de telefone que lhes ligou, foi desativado. E esta hein?..Será uma brincadeira da dgeste ou da dgae? O certo é que alguém andou a colocar em franja os nervos dos professores e diretores que não foram atendidos.

A democracia do nosso Ministério da Educação é assim, ficando o aviso para todos, independentemente da hierarquia que ocupam, desde que sejam da classe dos professores, que os direitos, o de férias já se foi, o do descanso ao fim do dia de trabalho também se vai.

Depois estamos a subir na competitividade, estamos com melhor crédito a nível estrangeiro, pelo menos vamos acreditar que sim, mas naquilo que nos dói, até valores como o respeito e a dignidade acabam e estamos a recuar décadas.

Mensagens

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.