Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto! Arte e Educação a minha paixão! Arte sem Arte é uma outra forma de Arte! Família, Amigos, Humor e Bisbilhotices são pilares desta Arte.

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto! Arte e Educação a minha paixão! Arte sem Arte é uma outra forma de Arte! Família, Amigos, Humor e Bisbilhotices são pilares desta Arte.

15º ano.jpg

Medo Instala-se nos Professores.

Medo....

As férias passaram, o regresso à escola aconteceu e o medo paira no ar…

Acontece, que em pleno séc. XXI a classe dos professores que até há bem pouco tempo era considerada e estimada começa a ter medo das medidas que o M.E. (Ministério da Educação) vem anunciando à mistura com uma dose de sensacionalismo da comunicação social e uma certa agressividade por parte da sociedade.

O que foi anunciado o ano transacto e o que vai a discussão para a opinião pública sobre o ECD (Estatuto da Carreira Docente) é de meter medo e cria insegurança na classe docente que ultimamente muito maltratada tem sido.

O que faz o M.E. para alterar o ECD?

Pela voz da ministra anuncia que os professores faltam muito e por isso vai alterar o ECD. Veio-se a saber mais tarde, que afinal os professores faltam tanto como outra classe profissional, situando-se mesmo no meio da tabela do referido estudo. Como aconteceu? O M.E. em vez de contabilizar por dias as faltas ao trabalho, contabilizou-as e anunciou-as na comunicação social por horas, o que dá a entender uma certa maldade de quem no faz. Esta foi a imagem transmitida (os professores faltam muito) e já ninguém se lembra do desdito e é assim com esta "mentira" que a classe docente é vista e lembrada.

Mesmo assim, esqueceu-se o M.E. e principalmente a ministra que a classe docente é constituída por cerca de 90% de professores do sexo feminino, que também são mães com filhos. Segundo um estudo (não confirmado), a classe profissional que mais contribui para a natalidade é a classe docente feminina com 2 a 3 filhos, mais concretamente 2,3 filhos por mulher, muito acima da média nacional (1,4 filhos por mulher). Então sendo a classe docente constituída por cerca de 90% de professores do sexo feminino e sendo esta uma das classes profissionais que mais filhos têm, é muito natural que as mães faltem quando um dos seus filhos adoece. Embora não faltem assim tanto como o fizeram parecer e segundo o desdito dos sindicatos sobre as faltas.

Vem isto a propósito, por causa de um plenário que o sindicato dos professores da Região Centro vai fazer no dia 22 de Setembro por toda a Região Centro. Sendo eu delegado informei os colegas que a falta para ir ao plenário não tem ainda os tais efeitos que a ministra e a comunicação social vão anunciando. O que me dizem, “não vou porque tenho medo”: medo das consequências futuras como vem sendo anunciado, medo de não subir de escalão mesmo que seja um óptimo professor, medo de uma falta injustificada que pode trazer consequências graves, medo de não deixar planos, medo de retaliações do “Conselho Executivo”, medo enfim…do ECD.

Com este clima.... não me parece, que existam as melhores condições para um bom desempenho por parte desta classe profissional.

 


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.