Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto! Arte e Educação de mãos dadas! Arte sem Arte é outra forma de Arte! Família, Amigos, Humor e Bisbilhotices são pilares desta Arte.

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto! Arte e Educação de mãos dadas! Arte sem Arte é outra forma de Arte! Família, Amigos, Humor e Bisbilhotices são pilares desta Arte.

15º ano.jpg

A dança do orçamento.

Sapatos

 

As linhas orientadoras do orçamento para 2013 que o governo apresentou aos portugueses através da Assembleia da Republica é como a dança dos sapatos, avança e recua conforme a música. A música é dada conforme os protestos de rua.

Os impostos que fazem parte das receitas desse orçamento são o instrumento mais melindroso e mais doloroso para os trabalhadores portugueses. A forma como os impostos serão aplicados é que tem levado aos avanços e recuos do governo.

O governo sabe que os trabalhadores portugueses estão no limite máximo no pagamento dos impostos e qualquer decisão que não seja equilibrada, justa e com equidade pode levar a um súbito despertar de ânimos mais exaltados.

Os trabalhadores portugueses vão esperando e desesperando na esperança de que estas decisões tenham um efeito benéfico para o país e para o seu bem-estar.Só que a esperança vai-se desvanecendo com o tempo. O tempo são promessas de um tempo que não chega.

É tempo dos nossos governantes serem responsabilizados pelas promessas que fazem, pelas mentiras que dizem e pelo mal que fazem ao país.

Uma governação errada, negligente e irresponsável que lese o país devia ser também responsabilizada perante a lei pelos seus atos como crime contra o estado e contra o povo.

Enquanto isso,  o povo, os trabalhadores portugueses vão-se manifestando pelas ruas em protesto até um dia...

 


Rankings das Escolas do Distrito de Viseu 2012

Fonte "Correio da Manhã" 
 

Escola

Localidade

ex 9º

nota 9º

ex 6º

nota 6º

1

Colégio   Imaculada Conceição (Lamego)

Lamego

20

3,95

58

3,98

2

Colégio da   Via-Sacra, Viseu

Viseu

154

3,67

164

3,87

3

Escola   Secundária Alves Martins

Viseu

110

3,58

   

4

Colégio   Lamego

Lamego

44

3,48

50

3,40

5

Colégio da Imaculada Conceição, Viseu

Viseu

50

3,42

56

3,79

6

Escola   Básica Álvaro Coutinho O Magriço - Penedono

Penedono

48

3,40

60

2,90

7

Escola   Secundária de Tondela

Tondela

160

3,30

   

8

Escola   Básica de Campo de Besteiros n.º 2

Tondela

91

3,27

162

3,13

9

Escola   Básica Grão Vasco

Viseu

324

3,25

371

3,51

10

Escola   Secundária de Nelas

Nelas

87

3,24

   

11

Escola   Secundária de Carregal do Sal

Carregal do Sal

76

3,21

   

12

Escola   Secundária Viriato (Viseu)

Viseu

202

3,18

   

13

Escola   Básica de Ferreira de Aves

Sátão

34

3,12

32

3,34

14

Escola   Básica de Mundão n.º 3

Viseu

124

3,10

124

3,38

15

Escola   Básica Infante D. Henrique, Viseu

Viseu

202

3,08

214

3,30

16

Escola   Básica e Secundária Eng. Dionísio Augusto Cunha

Nelas

62

3,06

80

3,13

17

Escola   Básica de Campia

Vouzela

56

3,02

82

3,06

18

Escola   Básica de Carregal do Sal n.º 2

Carregal do Sal

46

3,00

152

3,17

19

Escola   Secundária de Vila Nova de Paiva

Vila Nova de Paiva

98

2,99

   

20

Escola   Básica de Santa Cruz da Trapa

São Pedro do Sul

74

2,99

74

2,68

21

Escola   Secundária Emídio Navarro (Viseu)

Viseu

64

2,98

   

22

Escola   Básica Dr. Azeredo Perdigão, Abraveses

Viseu

158

2,97

321

3,26

23

Escola   Básica Prof. Dr. Carlos Mota Pinto

Tondela

28

2,96

56

3,00

24

Escola   Básica e Secundária de Oliveira de Frades

Oliveira de Frades

218

2,96

172

3,01

25

Escola   Secundária de Vouzela

Vouzela

112

2,95

   

26

Escola   Básica Dr. Fortunato de Almeida, Nelas

Nelas

36

2,94

202

3,00

27

Escola   Secundária de São Pedro do Sul

São Pedro do Sul

180

2,94

   

28

Escola   Básica General Serpa Pinto, Cinfães

Cinfães

122

2,93

296

2,70

29

Escola   Secundária Dr.ª Felismina Alcântara (Mangualde)

Mangualde

348

2,92

   

30

Escola   Básica Aristides de Sousa Mendes

Carregal do Sal

56

2,89

38

3,37

31

Escola   Secundária de Castro Daire

Castro Daire

84

2,88

   

32

Escola   Básica Ferreira Lapa

Sátão

58

2,88

186

2,89

33

Externato   D. Afonso Henriques

Resende

116

2,81

   

34

Escola   Básica do Viso

Viseu

242

2,81

344

3,18

35

Escola   Secundária de Molelos

Tondela

68

2,78

   

36

Escola   Básica Integrada com Ensino Secundário Jean Piaget, Viseu

Viseu

140

2,78

172

2,95

37

Escola   Básica e Secundária de Moimenta da Beira

Moimenta da Beira

212

2,75

256

2,91

38

Escola   Básica de Castro Daire n.º 2

Castro Daire

94

2,73

188

3,37

39

Escola   Básica e Secundária de São João da Pesqueira

São João da Pesqueira

97

2,72

116

2,80

40

Escola   Básica de Mões

Castro Daire

68

2,72

107

3,30

41

Escola   Secundária de Santa Comba Dão

Santa Comba Dão

216

2,71

   

42

Escola   Secundária Frei Rosa Viterbo (Sátão)

Sátão

184

2,71

   

43

Escola   Básica e Secundária de Penalva do Castelo

Penalva do Castelo

165

2,70

   

44

Escola   Secundária Dr. João Lopes de Morais (Mortágua)

Mortágua

154

2,69

   

45

Escola   Básica de Souselo

Cinfães

130

2,69

136

2,82

46

Escola   Básica e Secundária da Sé (Lamego)

Lamego

178

2,67

210

2,80

47

Escola   Básica D. Duarte, Vil de Soito

Viseu

104

2,66

106

3,12

48

Escola   Básica D. Luís Loureiro

Viseu

62

2,66

80

2,83

49

Escola   Básica de Lamego

Lamego

88

2,66

332

2,83

50

Escola   Básica Padre João Rodrigues

Sernancelhe

64

2,64

93

3,43

51

Escola   Básica do Caramulo

Tondela

36

2,64

62

3,16

52

Escola   Secundária Latino Coelho

Lamego

288

2,63

   

53

Escola   Secundária Prof. Dr. Flávio F. Pinto Resende

Cinfães

86

2,60

   

54

Escola   Básica e Secundária Dr. José Leite de Vasconcelos

Tarouca

118

2,58

198

2,76

55

Escola   Secundária D. Egas Moniz

Resende

186

2,54

   

56

Escola   Básica e Secundária Abel Botelho

Tabuaço

64

2,44

80

2,85

57

Escola   Básica Gomes Teixeira (Armamar)

Armamar

108

2,39

130

2,62

58

Escola   Básica de São Pedro do Sul n.º 2

São Pedro do Sul

60

2,32

236

2,97

 

Escola   Básica Gomes Eanes de Azurara

Mangualde

   

378

2,88

 

Escola   Básica Dr. José Lopes de Oliveira

Mortágua

   

186

2,96

 

Escola   Básica de Ínsua

Penalva do Castelo

   

138

3,17

 

Escola   Básica dos 2º e 3º Ciclos de Santa Comba Dão

Santa Comba Dão

   

200

2,96

 

Escola   Básica de Tondela n.º 2

Tondela

   

293

3,35

 

Escola   Básica Aquilino Ribeiro, Vila Nova de Paiva

Vila Nova de Paiva

   

110

3,22

 

Escola   Básica João de Barros, Marzovelos

Viseu

   

240

3,61

 

Escola   Básica de Vouzela

Vouzela

   

140

3,11


O Escrivão do pequeno reino - ep4

Escriba sou eu, senhor Bobo da Corte, e tenho muito orgulho no que faço.
Não confunda quem escreve o < > com o verdadeiro escriba que viveu no pequeno reino. São muitos os documentos do reino que se redigiu ao longo dos tempos descrevendo fatos e realidades vividas no reino e sempre de acordo com a lei mas nem sempre a favor do rei.

Vivi neste pequeno reino desde a sua fundação até à sua extinção e não concordo nada com o que diz vossa senhoria sobre o rei e o seu reinado.

 Que eu saiba foram vários os reinados desde a fundação do reino e foram vários os reis com a sua prole que por ali passaram.

Uns melhores que outros mas o último rei com a sua prole foi o mais duradouro e aquele que melhor cumpriu com a sua missão de ter um reino feliz e contribuiu com os melhores resultados para os rankings dum reinado com qualidade.

Foi um reino que sempre acreditou que um dia chegaria ao top da qualidade, conseguindo-o ao fim duns vinte e poucos anos sempre de pleno desenvolvimento, onde pontuou o rigor, o empenho e o gosto por pertencer e identificar-se com este pequeno reino.

 Não me recordo do “Bobo da Corte” porque bobos, patetas e fingidores houve sempre alguns, embora disfarçados, até o mordomo do rei desconheço e será um disparate confundir quem vivia em perfeita harmonia, sem qualquer divisão de classes, com outros reinos onde imperava essa divisão social de classes.

Neste pequeno reino todos eram iguais perante o seu rei, todos respondiam de acordo com as suas responsabilidades e é com muita pena que se assiste à sua extinção.

Foi-se o rei fica o reino. Acaba o reinado deste pequeno reino mas começa outro reinado integrado no grande reino, com um novo rei e a sua prole situada no grande reino. O pequeno reino faz agora parte integrante do grande reino e tem uns governantes nomeados pelo grande reino para tratar das papeladas burocráticas. Vamos ver como se comporta dentro do grande reino o pequeno reino.

O pequeno reino nunca mais é o que era…

Redigido pelo ex-escrivão do pequeno reino

Obs: Comentário que virou post /seguir em recados da escola


Mordomo do rei do pequeno reino - ep3

Também vivi naquele pequeno reino e lembro-me de vossa senhoria o Bobo da Corte que na altura era feliz e entretinha todos, não todos, só os da burguesia com o senhor nosso rei.

As suas brincadeiras bem aceites pelo rei nunca foram postas em causa naquele pequeno reino, mas muitos sabiam que havia uma conspiração contra o rei e vossa senhoria o Bobo da Corte era apontado como o principal matador do rei.
Sem rei acabava-se o reinado o que levou o povo a temer que tal acontecesse e apesar das boas palavras, das promessas que vossa senhoria fazia, foi denunciado ao rei.

Foi deposto pelo rei e exilado deste pequeno reino. Constam os novos ventos que um reino distante lhe deu guarida e tal como tinha feito no anterior pequeno reino, armou uma conspiração contra o rei e conseguiu levar a melhor, sendo agora o rei, embora dum pequeno reino também.

Consta também que reina a seu bel-prazer, com punho firme em torno das leis, muitas vezes lesando o povo que não está feliz e polindo as botas dos grandes reinos.

O Mordomo do rei.

Obs: Comentário que virou post /seguir em recados da escola


Jorge Colaço


Painel de azulejos de Jorge Colaço na estação de S. Bento no Porto. Jorge Colaço foi um grande ceramista português com afinidades a Parada de Gonta.


Jorge Colaço, foi casado com a poetisa Branca Gonta Colaço filha de Tomás Ribeiro, e teve uma filha cujo nome é Ana de Gonta Colaço, escultora com atelier na casa das matinas em Parada de Gonta.


Visitar o Porto

 

Aproveitando o feriado do 5 de Outubro dia da Implantação da Republica e por ser o último segundo os nossos governantes, fui até ao Porto recordar os meus tempos de estudante e também algumas ruas que me são tão intimas.Tirei lindissimas fotos e comi uma francesinha num restaurante da Cidade do Porto o que muito me agradou.

Foi um passeio muito agradável que fica registado como sendo o passeio do último feriado da Republica.


O Bobo da Corte do Pequeno Reino - ep2

Desenho a tinta de esferográfica..

Comentário que virou post tal é a sua criatividade nos contos do reino.

 

O Bobo da Corte do Pequeno Reino.

Ainda bem que sou apenas um plebeu Bobo da Corte deste pequeno reino.
Oh "caro escriva" do pequeno reino, parece que vossemecê andava só pelo castelo e não descia ao povoado, se cá viesse, também era daqueles que levaria uma bordoada dos aldeões plebeus cá do pequeno reino.

Vossemecê era daqueles que vivia à farta no Castelo, mas o que é facto é que cá por baixo pelo povoado ninguém acreditava no "Rei" e nos seus diletos seguidores que viviam à farta na lauta mesa do mesmo e que achava que sendo "rei" (e afinal não era mais que um mero governador de um pequeno reino), tudo geria a seu bel prazer como se fosse um autocrático e emproado senhor.

Gostaria era o povo, ralé que era obrigado a deixar que os seus rebentos fossem ao castelo para ficarem mais cultos, que um dia verificassem tudo direitinho e aí sim se veria se afinal a tal figuraça teria governado mais para os seus diletos seguidores, ou para os seus súbditos.

A mentira e a realidade muitas das vezes andam próximas, mas neste caso, credo, cruzes canhoto, Deus nos livre de tal demo belzebu, as mentiras tem perna curta como o Saci do Sitio do Picapau Amarelo.

Embora que ainda paire por aí o dito "Rei" afinal mais parecido com o Governador Gisborne, Saxão, dos Reinos do Norte, estou convencido que faltará pouco para que este saia do novo Grande Reino.

Se isso acontecer não terá qualquer hipótese de importunar o povo aqui do pequeno reino.
Ah e já agora pode ser que leve com ele este escriva, que mais não é que uma mero arauto de recados encomendados pelo apeado "Rei".

Este texto é um extrato retirado de um conto que um dia tenho para publicar, assim haja uma editora interessada.


O Primeiro dia de aulas..na escola dos grandes!.

Entrámos pela porta da frente, esperámos pelas nossas professoras e ... os "nossos padrinhos" do 3º e 4º ano deram-nos a mão para subir as escadas para as salas de aula.

SIM...que nós somos gente!...Temos aulas no 1º andar!

Conversámos sobre algumas regras a respeitar e lá vamos nós conhecer a escola - o refeitório, a sala de convívio, a papelaria, o bufete, o recreio, o campo de jogos, o pavilhão...e as casas de banho é claro...

...e era chegada a hora do recreio. Comer o lanche, correr, saltar, pular e... azar...

... Não podemos subir às árvores... (e como elas nos tentaram...), nem podemos brincar com os bebedouros... mas temos muito espaço só para nós.

No período da tarde tivemos uma visita quando fomos à Biblioteca...

É claro que estou a falar da nossa amiga avó Miquinhas. Ainda nos lembramos das histórias e das brincadeiras do ano passado. Fechámos a boca e ouvimos com muita atenção a história que hoje nos trouxe.

No fim, a avó deu-nos um miminho muito doce que fomos degustando enquanto íamos novamente para as salas continuar as nossas atividades.

No final do dia regressámos a casa muito satisfeitos, dizendo:

Até qualquer dia avó Miquinhas...

Sim, sim... ela prometeu voltar e contar outras histórias...

 

Retirado do blog "As Nossas Vozes


Pág. 2/2