Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto! Arte e Educação a minha paixão! Arte sem Arte é uma outra forma de Arte! Família, Amigos, Humor e Bisbilhotices são pilares desta Arte.

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto! Arte e Educação a minha paixão! Arte sem Arte é uma outra forma de Arte! Família, Amigos, Humor e Bisbilhotices são pilares desta Arte.

15º ano.jpg

Faz 30 anos que...Angola.

 

As coisas que uma pessoa recorda..faz hoje, dia 15 de Dezembro de 2009, 30 anos que fui  para Angola.
Naquele distante dia, com a sacola às costas rumei de Penafiel até Angola ao abrigo dum acordo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República de Angola, através do Ministério da Educação. Lembro que a disciplina que ia dar era Formação Manual e Politécnica e tinha sido colocado em N´Dalatando (ex Cidade Salazar), capital da província do Cuanza Norte.
Naquele dia, de Penafiel, parti eu e a Zita, mais tarde juntaram-se-nos o Zé Augusto, o Alexandre, o Hugo (amigos de infância) o Rodrigo, o Álvaro, o Zé Alberto, o Mário, todos dos arredores de Penafiel, mas colocados em pontos diferentes de Angola. Foram tempos difíceis mas agradáveis que recordo com saudades.
Estive 3 anos em Angola, dos quais 1 em N´Dalatando e os outros 2 no Waco kungo (ex cidade Cela), província do Cuanza Sul.
Muitas peripécias, tempos difíceis (a luta ainda se travava entre a UNITA e o MPLA) mas que valeram a pena..
Dentro desta luta lembro alguns dos episódios que me marcaram devido à guerrilha na altura. Tinha um colega cooperante, o Carlos, amigo que hoje mora no Porto, mais precisamente na Póvoa, que em Angola tinha um carro citroen 2 cavalos, e ia nele do Wako Kungo a Luanda passar todos os fim-de-semana, para se encontrar com os colegas de Luanda (a maioria dos cooperantes estava lá) e trazer mantimentos para a semana.
Eu costumava ir sempre com ele e eram 530Km, 1060Km  para ida e vinda, mas nem sempre as estradas estavam transitáveis, porque a guerrilha fazia-se sentir e então passamos alguns momentos de arrepiar os cabelos. Uma das vezes que as estradas estavam cortadas e já há bastante tempo, os alimentos começavam a rarear, mas nós lá ìamos e vinhamos sem que nada nos acontecesse, até o Director da Escola nos pedia boleia, porque só connosco é que podia passar.
Foi então que soubemos, mais tarde, que os nossos próprios colegas da escola, Angolanos, também faziam parte desses controles e eram membros da facção contrária ao poder e quando nós saíamos com o 2 cavalos havia uma rede de comunicação para nos deixarem passar.
Lembro também que a 1ª viagem que fiz para a escola onde tinha sido colocado no Wako Kungo, ía de autocarro de Sumbe (capital do Kuanza Sul) da casa do meu amigo José Augusto, ele dizia-me, não vás que ainda não existem condições para passar na estrada, mas eu fui e foram 2 autocarros, ia no 2º quando o meu aflitivamente deu a volta para trás, vim a saber que o 1º autocarro tinha sido queimado. Mas passado uns tempos lá me levaram numa escolta para a minha escola do Wako. 
Mesmo neste clima de tensão, recordo que já no final do meu contrato, não ia renovar e por isso regressava a Portugal e quando já estava em Luanda pronto para embarcar, fizeram-me ver que faltava um documento, julgo eu o “cartão DEFA”, que tinha que entregar no aeroporto. Tinha-me esquecido dele no Wako Kungo, como não havia transporte, por causa da guerrilha,  fui à boleia e para ir e regressar demorei uma semana nas viagens, dormindo em casa de Angolanos que nem me conheciam e recordo dormir numa das noites numa esteira numa cubata junto dos Angolanos que me deram o jantar da sua famosa gastronomia “o Funge” muito apreciado e que se comia com a mão.
São apenas recordações que deixam saudades. Saudades daquele povo que apesar das dificuldades vividas, notavam-se nos olhos a esperança dum futuro melhor. Saudades daquele entrada de ano em plena praia com a areia florescente. Saudades dos meus alunos, cheguei a ter 80, digo bem, oitenta alunos numa sala, de pé ficava metade e era um silêncio para deixar o professor falar. Destes oitenta, chegaram ao final cerca de 30, não porque desistiam mas porque a vida assim os obrigava. Saudades dos meus colegas, são 30 anos, dos quais alguns nunca mais vi. Até saudades do 2 cavalos do carro Carlos que nunca nos deixou no caminho.
Saudades….

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.