Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto! Arte e Educação a minha paixão! Arte sem Arte é uma outra forma de Arte! Família, Amigos, Humor e Bisbilhotices são pilares desta Arte.

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto! Arte e Educação a minha paixão! Arte sem Arte é uma outra forma de Arte! Família, Amigos, Humor e Bisbilhotices são pilares desta Arte.

Clima de tensão nas escolas – horários zero.

 

Os professores estavam adormecidos e começam a acordar do sonho. O sonho de ser do quadro de escola como sendo uma garantia dum lugar de trabalho, acabou-se. O sonho transforma-se em pesadelo. A realidade é um pesadelo que se abate sobre a classe.

É uma correria de um lado para outro. Perguntas e mais perguntas e respostas vagas. São os próprios colegas de escola a perguntar sobre a sua situação: ficam na escola onde estão ou vão para outro lado? respostas nada.

Como é que vão ser colocados os professores, quem vai dizer se tem componente letiva,  é o agrupamento sede da agregação? Resposta ténue, em princípio é a sede da agregação e haverá uma lista de graduação e as colocações/indicação da componente letiva serão através dessa lista.

Toca o telefone e a pergunta é a mesma, existe vaga para mim? Porquê responde o questionado (já sabendo a resposta), não tens vaga na escola onde estás? Não, por isso regresso à escola de origem. Pois aqui também não. Então o que me acontece? Em princípio vais ser colocada na plataforma sem componente lectiva para depois concorreres. E depois? Se fores colocada muito bem, senão não fores também não se sabe a resposta, mas em princípio ficas na escola à espera de colocação na chamada Bolsa de colocação.

Mas, se todos os agrupamentos têm professores de sobra devido às novas medidas que o governo tomou, como é que vai ser? Nunca chego a apanhar vaga!. Mais uma vez não se sabe a resposta.

Este é o dilema de milhares de professores que não têm a sua situação definida nem sabem o que lhes vai acontecer. É o stress a atacar.

A coisa está mesmo séria e no grupo de EVT então atinge o cúmulo. Uma professora de EVT com 36 anos de serviço e 58 anos de idade na escola/agrupamento que se agregou foi-lhe comunicado que não vai ter componente lectiva. Até na velhice as preocupações não largam os professores e ainda se arranjam mais umas rugas e uns cabelitos brancos.

A realidade começa a tomar conta dos professores e vai ser o caos.


Logo (1).jpg