Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto! Arte e Educação de mãos dadas! Arte sem Arte é outra forma de Arte! Família, Amigos, Humor e Bisbilhotices são pilares desta Arte.

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto! Arte e Educação de mãos dadas! Arte sem Arte é outra forma de Arte! Família, Amigos, Humor e Bisbilhotices são pilares desta Arte.

15º ano.jpg

2ª Observação de aulas como avaliador externo

Mais uma observação de aulas na disciplina de Educação Visual que faz parte da avaliação externa da qual sou avaliador.

Sou avaliador não porque queira mas porque a lei me obriga e nada ganho com isso, não me tiraram horas letivas nem horas não letivas. Quer isto dizer, que é um acumular de funções sem nenhuma compensação e que pode acarretar muitas chatices se as coisas não correrem de feição.

Além dos aborrecimentos que pode causar também me obriga a montes de reuniões pós laborais que não são creditadas mesmo sendo ações/reuniões da ADD.

Por isso, hei de sempre lamentar-me e criticar o sistema porque me obrigaram a ser avaliador externo sem qualquer compensação. Se isto fosse negociado de outra forma talvez até aceitasse se me pedissem a minha anuência.

Voltando à observação de aulas, como disse da 1ª observação, foi uma aula diferente e bem conseguida tendo em conta que o tema/conteúdo era Texturas e o seu léxico gramatical na gramática visual.

De uma forma geral os alunos atenderam bem ao que a professora dizia e participaram na aula à sua maneira com exceção de 2 casos que decidiram dar a sua música à professora sendo do contra.

A professora bem se esforçava e teve uma pedagogia acertada para que a coisa não descambasse em penalização/participação a uma aluna que levou bem a peito a sua casmurrice. Decidiu que não trabalhava e tratar com termos menos próprios os colegas em plena aula.

Os professores menos experientes ou os menos sensíveis diriam que a melhor forma seria fazer uma participação e dar-lhe ordem de saída da sala de aula. Seria muito fácil mas o professor pedagógico acha que essa será a última forma de atuar e atua como se estivesse na pele do aluno.

Dar aulas a alunos dóceis, atentos, participativos e sempre prontos a aprender é fácil e faz desta profissão uma das mais invejadas de qualquer classe. Mas quando se tem alunos difíceis a coisa já não cria invejas e pode-se dizer que muitas das escolas sofrem deste male. São alunos de instituições de acolhimento e já o mal deles lhes chega.

Mas continuando, nesta observação em plena aula a professora para evitar o confronto improvisou um exercício de relaxamento para todos os alunos “com o inspira e expira devagarinho”. Até resultou porque a aluna em causa deixou de ser o centro das atenções e começou sem ser pressionada a trabalhar.

São imprevistos que qualquer um pode ter mas que aos olhos do observador/avaliador deu para sair da rotina planificada da aula e verificar que a professora em causa soube dar muito bem a volta à situação sem haver qualquer penalização e sem prejudicar a aula.

Para este ano acabaram as observações de aulas, agora serão as classificações dos formandos, digo bem, classificações e não avaliações como deviam ser.

Fica o registo de mais um relato desta experiência de avaliador externo.