Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto!.. Arte e Educação de mãos dadas! Arte sem Arte é uma nova forma de Arte!. email: ag_silva@hotmail.com

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto!.. Arte e Educação de mãos dadas! Arte sem Arte é uma nova forma de Arte!. email: ag_silva@hotmail.com

Dia da Espiga!.. 2018

Espiga.jpg

 

Logo pela manhã, a minha esposa lembrou-me que hoje era o dia da espiga! Foi colher os elementos que fazem parte do ramo da espiga, mas eu ao ir para o trabalho, escola da Lajeosa, vi a um canto da estrada lindas papoilas e colhia-as na vinda para o almoço. Fizemos o ramo, ela com os elementos que tinha e eu com as papoilas. Todos os anos se segue o mesmo ritual acabando o ramalhete por ficar atrás da porta durante o ano. É uma tradição que reza a lenda, quem no fizer tem sorte. E como se melhor sorte não houver, pelo menos que seja como aquela que tem sido até aqui.

O Dia da espiga ou Quinta-feira da espiga é uma celebração portuguesa que ocorre no dia da Quinta-feira da Ascensão com um passeio matinal, em que se colhe espigas de vários cereais, flores campestres e raminhos de oliveira para formar um ramo, a que se chama de espiga. Segundo a tradição o ramo deve ser colocado por detrás da porta de entrada, e só deve ser substituído por um novo no dia da espiga do ano seguinte.

As várias plantas que compõem a espiga têm um valor simbólico profano e um valor religioso.

Crê-se que esta celebração tenha origem nas antigas tradições pagãs e esteja ligada à tradição dos Maios e das Maias.

O dia da espiga era também o "dia da hora" e considerado "o dia mais santo do ano", um dia em que não se devia trabalhar ( em França e em mais alguns países continua a ser feriado). Era chamado o dia da hora porque havia uma hora, o meio-dia, em que tudo parava, "as águas dos ribeiros não correm, o leite não coalha, o pão não leveda e as folhas se cruzam". Era nessa hora que se colhiam as plantas para fazer o ramo da espiga e também se colhiam as ervas medicinais. Em dias de trovoadas queimava-se ( e ainda se quima) um pouco da espiga no fogo da lareira para afastar os raios.

A simbologia por detrás das plantas que formam o ramo de espiga:

- Espiga – pão;

- Malmequer – ouro e prata;

- Papoila – amor e vida;

- Oliveira – azeite e paz; luz;

- Videira – vinho e alegria e

- Alecrim – saúde e força.

Fonte Vikipédia

Outra Versão

O dia da espiga iniciava-se com a missa, e no momento da Consagração, alguns rapazes escolhidos para o efeito, libertavam, do coro, andorinhas que esvoaçavam pela igreja e o sacristão lançava pétalas de rosa sobre o altar.

Dia da Espiga

Em tempos, este dia era feriado e muito respeitado por todos. Muitas pessoas, para evitarem trabalhar nesse dia, reforçavam a ração dos animais e cozinhavam de véspera. Tratava-se de uma festa rural, ligada à Primavera.

A festa de Ascenção é também a comemoração da subida de Cristo ao Céu, fechando um ciclo de quarenta dias que se abriu pela Páscoa.

O dia iniciava-se com a missa, e no momento da Consagração, alguns rapazes escolhidos para o efeito, libertavam, do coro, andorinhas que esvoaçavam pela igreja e o sacristão lançava pétalas de rosa sobre os altares.

Após a missa, os jovens juntavam-se e iam recolher ramos de espigas a que se juntavam flores silvestres como malmequeres, rosmaninho e papoilas. Segundo a lenda, estes raminhos, deviam ser guardados junto de um pão até ao ano seguinte, altura em que eram renovados, de forma a dar sempre fartura na casa e o pão não tomava bolor.

Entre o povo, havia a crença de que em certo momento da Missa, as folhas das oliveiras se cruzavam. Era a chamada “Hora”.

Em muitas localidades, este dia é feriado. Acontece assim em Ansião, na Beira Litoral, em Alcobaça e no Ribatejo. Na Chamusca, este dia é de festa rija, com entrada de touros pela vila, e à tarde a Corrida da Ascenção, na praça de touros.

Em todas as festas não pode faltar a música e o folclore, que se seguem a lautos piqueniques, junto a rios, como o Alviela.

Se não pode juntar-se a eles, então pelo menos não esqueça o dia da Espiga e adquira um raminho silvestre, coloque um pão pequeno junte dele e veja o que acontece para o ano.

Fonte:Mulher Portuguesa