Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto! Arte e Educação a minha paixão! Arte sem Arte é uma outra forma de Arte! Família, Amigos, Humor e Bisbilhotices são pilares desta Arte.

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto! Arte e Educação a minha paixão! Arte sem Arte é uma outra forma de Arte! Família, Amigos, Humor e Bisbilhotices são pilares desta Arte.

15º ano.jpg

Os exames do desperdício.

Hoje, mais alguns milhares de alunos do 9º ano fizeram exames a Português. Nada a dizer se estes se realizassem, como toda a gente pensa que se realizam, de forma normal, com alunos a fazer os exames e os professores a vigiar, mas não, porque quem não pertence à educação, não se apercebe do processo burocrático e do desperdício de tanto recurso humano e material.

 

Só quem está dentro é que se apercebe que uns simples exames mobilizam e preocupam tanta gente, desde alunos, professores e funcionários, assim como os encarregados de educação. Por isso existem aqueles que defendem que não se deve fazer exames e aqueles que defendem que os exames devem existir.

 

Na minha opinião, acho que os exames são a melhor forma democrática de aferir conhecimentos, embora haja outras formas que os possam complementar, mas exames são exames, e vamos dar-lhes o valor merecido, como serem o melhor instrumento para aferir dos conhecimentos de quem os requer.

 

O que não está bem é o manancial de recursos, que se requerem para os fazer, devido aos procedimentos que são precisos, por causa da legislação feita à medida para estes casos.

 

Alguém poderá imaginar que para 6 alunos, 3 do 1º ciclo e 3 do 2º ciclo, vão ser precisos 22 professores, fora os funcionários que estarão de apoio e ainda nem falando na GNR que terá que levar os exames e depois ir buscá-los.

 

Explica-se com dados reais: 6 alunos vão fazer exame a Português no mesmo dia e à mesma hora, embora sejam de ciclos diferentes, mas é assim que está calendarizado pelo ministério da educação. São alunos que vão à 2ª fase, ou seja, alunos que reprovaram, e agora têm outra possibilidade para passar, ou alunos que tiveram negativa à disciplina, e embora estejam aprovados, poderão melhorar a nota.

 

Dos 3 alunos do 2º ciclo 1 tem necessidades educativas e leitura de prova;

 

 Dos 3 alunos do 1º ciclo 1 tem necessidades educativas e leitura de prova.

 

Segundo a lei, cada aluno com leitura de prova, requer 1 leitor da prova, 1 sala e cada sala requer 2 vigilantes.

 

São 2 alunos com leitura de prova, por isso, são 2 professores leitores de prova, 2 salas e 4 professores vigilantes.

 

Para cada ciclo requer um coadjuvante, ou seja professor da disciplina, neste caso 2 coadjuvantes.

 

Os professores vigilantes terão também 2 professores suplentes, 1 por cada ciclo.

 

Os outros 2 grupos de alunos, 2 do 2º ciclo e 2 do 1º ciclo, terão cada grupo a sua sala e em cada sala 2 professores vigilantes, somando dá 4 professores vigilantes.

 

Como um dos alunos do 2º ciclo reprovou de ano, segundo a lei tem direito a prova oral a Português, ou seja, mais 3 professores para a prova oral.

 

Os coadjuvantes e os suplentes dos 4 alunos, para poupar recursos e porque está dentro da lei, serão os mesmos dos alunos com necessidades.

 

Temos finalmente, o secretariado que é constituído por 5 professores.

 

No total temos 22 professores, sem contar com funcionários da escola para apoio e GNR para levar e trazer os exames.

 

Apetece dizer..que grande trapalhada vai neste reino.

 


3 comentários

Comentar post