Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto! Arte e Educação a minha paixão! Arte sem Arte é uma outra forma de Arte! Família, Amigos, Humor e Bisbilhotices são pilares desta Arte.

Arte por um Canudo (Blog do Agostinho)

Dar voz ao que sinto! Arte e Educação a minha paixão! Arte sem Arte é uma outra forma de Arte! Família, Amigos, Humor e Bisbilhotices são pilares desta Arte.

15º ano.jpg

Que amigos são estes que nos governam?

BISBILHOTEIRO.jpg

A bisbilhotice semanal vai direitinha para o caso da Hepatite C e as suas consequências trágicas que se conhecem. Bisbilhotar num caso destes é sabermos com os amigos que contamos. E o caso é o que se conhece nesta semana, o braço de ferro na venda dos medicamentos, entre governo e a empresa de fármacos, para a salvação de quem foi apanhado por esta terrível doença.

O braço de ferro consiste no preço que a empresa quer vender e o preço que o governo quer comprar. Enquanto a empresa e governo travam-se em discussões inúteis por causa do preço do remédio que pode salvar estes doentes, uma já morreu e aqui é que o caldo entornou, para mais com aquela intervenção do doente com hepatite C na comissão da Assembleia, pedindo ao ministro que queria viver e até que o haveria de encontrar. O caso foi bastante badalado juntamente com a morte daquela doente, que, governo e empresa dos fármacos já chegaram a acordo.

Agora já os doentes vão ter acesso aquele medicamento inovador que deixa muitas esperanças de continuar a viver a estes doentes.

A conclusão que se pode tirar e isto são bisbilhotices para quem não as quiser aceitar, é que elegemos pessoas para fazerem parte dum governo para que possam olhar pelos nossos interesses, nomeadamente, a educação, a saúde e o bem-estar, e o que verificamos é que essas pessoas, na pessoa do Sr. Ministro da Saúde, olham mais para os cofres do estado e para o dinheiro que lá têm, do que para as pessoas e o seu bem-estar.

Foi preciso morrer uma pessoa para depois se fazer a negociata. Não seria o ideal, primeiro, dar a quem precisasse o medicamento para ter esperança de se salvar, e então depois, é que se ia para a negociata.

Será que o governo não teria força suficiente para poder inverter a situação com a empresa? Mas afinal para que servem os medicamentos e o governo? Se não são para as pessoas, são para quem?

São estes os nossos representantes, os que olham por nós, e depois ainda nos pedem para os elegermos e dar-lhes o nosso apoio.

Para ter amigos destes mas vale contar com os inimigos, porque assim sabemos com o que podemos contar.

Bisbilhotice semanal